web-archive-pt.com » PT » E » EMEPC.PT

Total: 680

Choose link from "Titles, links and description words view":

Or switch to "Titles and links view".
  • Ponto da Situação
    Scorpaena maderensis Pisces Parablennius parvicornis Pisces Coryphoblennius galerita Pisces Lipophrys trigloides Pisces Actinia equine Cnidaria Anemonia viridis Cnidaria Paguridae Crustacea Ophiuroidea Echinodermata Hermodice carunculata Annelida Chthamalus montagui Crustacea Sipunculidae Aplysiopsis formosa Mollusca Sacoglossa Subtidal Base NTM Creoula Período 4 a 8 de Julho Porto Santo 21 Mergulhos profundidade média 20m Número médio de mergulhadores por mergulho 5 Tempo médio de mergulho 40min Aproximadamente 70 horas de mergulho 240 amostras biológicas 50 Gigabytes de imagens recolhidas Registos de biodiversidade no sistema M rBis 1307 número provisório Espécies com estatuto de protecção identificadas Maerl Lithothamnion corallioides Rede Natura 2000 e Convenção OSPAR Mero Epinephelus marginatus protecção Regional Espécies sensíveis identificadas Raias Dasyatis pastinaca Taeniura grabata Gymnura altavela Raia borboleta Lírios e charuteiros Seriola dumereli Seriola rivoliana Badeijo Mycteroperca fusca Pargo Dentex Sp Bicuda Sphyraena viridensis Enguia de jardim Heteroconger longissimus Alga verde Caulerpa prolifera Corais Anthipatela Wollastoni Coral negro Gerardia macaronesica Sicopates Sp Coral chicote Charonia Sp Búzio Intertidal Porto Santo Período 4 Julho a 8 Julho Ilha do Porto Santo amostragens de 5 a 7 Julho Ilha do Porto Santo 3 amostragens de intertidal Número médio de elementos de equipa por amostragem 11 Tempo médio de amostragem 3 horas Registos de biodiversidade 436 número provisório Algumas Espécies identificadas Boops boops Pisces Thalassoma pavo Pisces Diplodus vulgaris Pisces Diplodus sargus Pisces Diplodus cervinus Pisces Sarpa salpa Pisces Shyraena viridensis juvenil Pisces Chelon labrosus Pisces Lepadogaster zebrina Pisces Lepadogater candolei Pisces Abudefduf luridus Pisces Mauligobius maderensis Pisces Scorpaena maderensis Pisces Parablennius parvicornis Pisces Coryphoblennius galerita Pisces Lipophrys trigloides Pisces Paracentrotus lividus Echinodermata Coscinasterias tenuispina Echinodermata Holothuria sanctori Echinodermata Ophidiaster ophidianus Echinodermata Calothrix crustacea Cianobacteria Palaemon elegans Arthopoda Grapsus adsensioni Arthopoda Chthamalus stellatus Arthopoda Clibanarius aequabilis Arthopoda Plagusia depressa Artrophoda Acanthonyx lunulatus Artrophoda Paguridae Arthopoda Aglaja depicta Molusca Tambja ceutae Molusca Collumbela adansoni Molusca Littorina striata Molusca Erosaria spurca Molusca Mitra cornea Molusca Nassarius cuvieri Molusca Vexillium zebrinum Molusca Jujubinus Sp Molusca Patella Sp Molusca Stramonita haemastoma Molusca Jania rubens Algae Ulva rígida Algae Cladostephus spongiosus Algae Caulerpa webbiana Algae Dasycladus vermicularis Algae Valonia utricularis Algae Cystoseira humilis Algae Padina Sp Algae Laurencia Sp Algae Codium adherens Algae Cystoseira compressa Algae Stypocaulom scoparium Algae Asparagopsis Sp Algae Aplisina aerophoba Porifera Actinia Sp Cnidaria Anemonia viridis Cnidaria Sipunculidae Sipuncula Hermodice carunculata Annelida Polychaeta Annelida Subtidal Base NTM Creoula Período 15 a 17 de Julho Ilhéus das Formigas e Santa Maria Açores Ilhéus das Formigas 4 mergulhos profundidade média 30m Santa Maria 8 mergulhos profundidade média 25m Número médio de mergulhadores por mergulho 5 Tempo médio de mergulho 45min Aproximadamente 45 horas de mergulho 12 amostras geológicas dos Ilhéus das Formigas 2 estações de espectro radiómetro 3 estações de CTD Perfil vertical de Temperatura e Salinidade 280 amostras biológicas 6 3 Gigabytes de imagens recolhidas Amostragem no intertidal dos Ilhéus das Formigas Georreferenciação dos Ilhéus das Formigas Registos de biodiversidade no sistema M rBis 1890 número provisório Espécies com estatuto de protecção identificadas Cavaco Scyllarides latus Rede Natura 2000 e Convenção OSPAR Craca gigante Megabalanus azoricus

    Original URL path: http://www.emepc.pt/pt/campanhas-emepc-m-rbis/campanha-2011/ponto-da-situacao (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • Diário de Bordo
    Duros no dizer de alguns elementos da guarnição continuam o seu trabalho de análise e identificação das fotografias obtidas nos mergulhos da Campanha e de introdução de dados no M rBis Ao longo do dia intensificaram se as visitas à ponte para consulta do ECDIS Ainda há muito para navegar mas começa a ser cada vez mais certo que chegaremos a Lisboa amanhã ao cair da noite 36º Dia 21 de Julho Trânsito Ponta Delgada Lisboa Imprimir Email URL Tweet URL As condições de mar e vento têm piorado consistentemente A ondulação atinge já os dois metros e meio de través o vento de nordeste cresceu significativamente e o céu permanece encoberto de um cinzento carregado A experimentada guarnição do Creoula comenta que apesar de se estar já em finais de Julho parece estarmos na presença de um mar de inverno É já claro que a previsão meteorológica se vai concretizar em pleno Nota se uma diminuição no número de tripulantes presentes no convés vítimas de enjoo ou de sonolência que é uma das reacções típicas ao mar agitado por parte de quem não enjoa facilmente Mas também é já claro que o Creoula atingirá o seu destino antes do dia planeado No rumo constante para leste que tem mantido o navio avançou cerca de 4 graus de longitude nas últimas 24 horas o que à latitude de 38ºN em que ocorre a navegação corresponde a uma velocidade média de 7 8 nós muito acima da média habitual Alguns elementos da guarnição e da tripulação vêm à ponte consultar o monitor do ECDIS a carta electrónica de navegação que para além de indicar a posição e a velocidade do navio dá entre outros parâmetros a distância a percorrer até ao destino e o respectivo ETA hora estimada de chegada 35º Dia 20 de Julho Trânsito Ponta Delgada Lisboa Imprimir Email URL Tweet URL Ao final do dia anterior as extensões das velas foram arreadas por forma a proporcionar uma navegação mais tranquila durante a noite tendo a velocidade do Creoula descido para cerca de 7 nós um valor ainda considerável Como previsto as condições de mar agravaram se provocando alguns casos pontuais de enjôo por parte da Tripulação mas nada de preocupante Os Escuteiros Marítimos têm desempenhado de forma exemplar as suas funções de apoio à guarnição do navio nas funções de bordo Por outro lado os Escuteiros Marítmos que não estão de quarto juntam se a meio navio tocando as suas guitarras e animando com a sua boa disposição tanto a Guarnição como a Tripulação do Creoula A equipa de cientistas da EMAM continuou os seus trabalhos de análise e identificação do registo fotográfico obtido e de introdução de dados no M rBis 34º Dia 19 de Julho Trânsito Ponta Delgada Lisboa Imprimir Email URL Tweet URL Como planeado o Creoula largou do porto de Ponta Delgada às nove e meia da manhã navegando para leste ao longo da Ilha de São Miguel Ao sair da zona abrigada proporcionada

    Original URL path: http://www.emepc.pt/pt/campanhas-emepc-m-rbis/campanha-2011/diario-de-bordo (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • Posição N.T.M. Creoula
    Divulgação Publicações Facebook Notícias Canal Media Fundo do Mar Português Próximos Eventos Datas Comemorativas Exposição Imagens Mapa Portugal é Mar Dados Amostras Política de Dados Formulários Nº de dados cedidos Tipos de dados cedidos Entidades de cedência de dados Nacionalidade dos pedidos de dados Informação Institucional Carta de Missão Diploma legal EMEPC Pagamento a fornecedores QUAR Mapa de Pessoal Subdelegação de competências Desempenho EMEPC Concursos Contactos Campanha 2015 Campanha 2014 Campanha 2013 Campanha 2012 Campanha 2011 Campanha 2010 Posição do N T M Creoula Posição NTM Creoula Imprimir Email URL Tweet URL FaLang translation system by Faboba M rBis O Projeto M rBis Biodiversidade Marinha de Portugal Campanhas EMEPC M rBis Campanha 2015 A Campanha Organizadores Instituições Participantes Projetos a Bordo Diário de Bordo Equipa Conferências a Bordo Notícias Campanha 2014 Anúncio Organizadores Participantes Projetos a Bordo Fauna e Flora Diário de Bordo Faces do Creoula Conferências de Bordo Notícias Galeria de imagens Apoio Campanha 2013 Organizadores Participantes Projetos convidados Diário de Bordo Faces do Creoula Fauna e Flora Notícias Apoios Galeria de imagens Campanha 2012 Organizadores Entidades participantes Descrição Diário de Bordo Faces do Creoula Faces do Kit Fauna e Flora Ponto da Situação Avisos aos Participantes Anúncio Campanha 2011 EMAM PEPC M rBis 2011 Descrição Organizadores Participantes Ponto da Situação Diário de Bordo Posição N T M Creoula Faces do Creoula Agenda Imprensa Campanha 2010 Objetivos Participantes Patrocinadores Diário de Bordo Fauna e Flora Notícias Visualizador M rBis Publicações BioMar PT Equipa DESTAQUES Conheça o Projeto de Extensão Fique a conhecer o Projeto de Extensão da Plataf ler Livro EMEPC O livro Extensão da Plataforma Continental Um Pr ler CURSO Sistemas de Informação de Biodiversidade Marinha No âmbito do Projecto Aprender e conhecer o ambie ler VER MAIS Contactos Receba as nossas notícias Nome Email Escolha a s

    Original URL path: http://www.emepc.pt/pt/campanhas-emepc-m-rbis/campanha-2011/posicao-n-t-m-creoula (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • Faces do Creoula
    publicação etc que referencie a entrada realizada Como é em termos logísticos e humanos montar uma campanha oceanográfica como esta O ambiente no seio da equipa M rBis é voluntarioso pró activo crítico e atento Isso facilita muito o trabalho Tendo dito isto considerando que a campanha envolve mais de 200 pessoas que entram e saiem em diferentes escalas ao longo do cruzeiro e que em geral querem sempre ficar mais tempo a mobilização de equipamentos científicos variados a logística de equipamentos de laboratório a articulação sucessiva com diferentes participantes de que são exemplo na campanha deste ano os alunos do prémio Kit do Mar os professores do projeto Professores a Bordo os investigadores individuais os co organizadores na Madeira e Açores a equipa de mergulhadores profissionais os escuteiros marítimos de S Miguel e os diferentes jornalistas envolvidos na cobertura para além da articulação a cada momento com o comando do navio Considerando ainda que o próprio navio possui em transito uma velocidadevariável função do vento existente em cada momento o que tem implicações nos tempos de chegada e consequentemente na gestão de entradas e saídas em cada escala fazem me confessar que a organização de uma empresa como esta é à vez aliciante intrincada divertida intensa delicada e por vezes muito díficil Como se perceberá é precisa muita adjectivação para permitir uma resposta totalmente honesta a esta pergunta Filipe Henriques Imprimir Email URL Tweet URL Quem é Filipe Henriques Licenciado em Biologia pela Universidade da Madeira Membro do grupo de trabalho do Projeto GESMAR Gestão Sustentável dos Recursos Marinhos Cientificamente qual é a sua área de interesse e de que modo esta se enquadra nesta Campanha Embora seja um pouco precoce afirmar qual a área específica da biologia em que prevaleça um maior interesse será certamente na ecologia marinha que existe uma enorme afinidade com duas das minhas grandes paixões o Mar e o mergulho com escafandro autónomo Esta Campanha reúne todas essas condições o que por si só reforça a ideia de conciliação entre o dever e o prazer e o culminar perfeito da simbiose entre o mergulho com fins científicos aliado à ligação pessoal ao Mundo Submerso Como membro da equipa de mergulho científico da Campanha o que mais gostaria de salientar relativamente ao que observou nos vários mergulhos em que participou Bem em primeiro lugar a beleza das águas cristalinas do remoto ilhéu das Formigas e respectivo ecossistema praticamente inalterado É uma prova real do efeito benéfico que as áreas protegidas apresentam permitindo assim uma repovoação das áreas adjacentes e consequentemente uma melhor sustentabilidade das pescas da região A nível da Fauna e Flora dos respectivos Arquipélagos da Madeira e Açores foi interessante constatar in loco as variações qualitativas e quantitativas das diferentes espécies à medida que nos deslocamos entre a Madeira e os Açores Fiquei particularmente emocionado pela abundância de indivíduos da espécie Coris julis que observei nos vários mergulhos em águas Açorianas espécie que apresenta pouca representatividade no Arquipélago da Madeira Outro aspecto extremamente positivo a nível pessoal foi observar espécies que apenas conhecia através de livros e fotografias sendo sempre agradável ter um frente a frente pela primeira vez com tais criaturas Como é fazer parte de uma equipa de biólogos marinhos com especialidades muito diversas É um privilégio Ter a oportunidade no momento em que nos surge alguma questão relacionada com alguma das várias áreas da biologia marinha em que não temos assim tanto conhecimento científico ser respondida imediatamente e com o rigor característico dos especialistas é um regozijo que nem as mais avançadas tecnologias de informação nos podem dar A absorção e transmissão de conhecimento foram de tal ordem de grandeza que tanto a missão como os participantes ficaram a reter um melhor conhecimento do mar que nos rodeia Do seu ponto de vista quais são as principais mais valias a médio e longo prazo desta Campanha A médio prazo permitiu realizar um levantamento exaustivo e relativamente rápido a algumas das áreas menos conhecidas do nosso território Nacional advindo assim um melhor conhecimento da biodiversidade existente nessas regiões A longo prazo pressupondo se que os objectivos foram atingidos penso que esta campanha contribuiu principalmente para o fortalecimento do M rBis ferramenta inovadora e imprescindível para uma correcta gestão das áreas marinhas Portuguesas ajudando assim para um futuro mais promissor dos Mares de Portugal Tenciona continuar a colaborar em iniciativas deste género Como é possível negar a colaboração em iniciativas deste género Simplesmente não se pode Estibaliz Berecibar Imprimir Email URL Tweet URL Quem é Estibaliz Berecibar Doutorada em Ecologia Marinha pela Universidade do Algarve Assessora de Biopersidade da EMAM Do ponto de vista científico em que consistem os trabalhos diários a bordo do Creoula Todos os dias há no mínimo 4 mergulhos com escafandro autónomo dois mergulhos de manhã e dois à tarde As equipas de mergulhadores compostas por 4 a 6 mergulhadores através de censos visuais fotografia vídeo e colheita de espécies fazem o levantamento da biopersidade em cada ponto de amostragem previamente escolhido Depois das amostragens ainda no mesmo dia as espécies recolhidas são triadas identificadas etiquetadas e preservadas As fotografias e os vídeos são também triados e as espécies encontradas identificadas Todos estes dados sobre a biopersidade marinha observada são inseridos no Sistema de Informação georreferenciado M rBis Sendo membro da equipa de mergulho científico da Campanha quais foram do seu ponto de vista as principais diferenças e ou semelhanças encontradas entre a biopersidade marinha do Arquipélago da Madeira e do Arquipélago dos Açores Embora o carácter subtropical seja mais evidente no arquipélago da Madeira os dois arquipélagos são de carácter subtropical quando comparados com o continente português Ambos apresentam muitas espécies cujo limite de distribuição norte se encontra na Macaronésia e que são muito raras ou ausentes em Portugal continental Thalassoma pavo Sparisoma cretense Bodianus scorfa Scorpaena maderensis Abudefduf luridus Chromis limbata Scyllarides latus Megabalanus azoricus Pinna rudis Cystoseira abies marina Zonaria tournefortii Lobophora variegata No arquipélago da Madeira foi assustador ver os efeitos do crescimento da população do ouriço de bicos compridos Diadema antillarum Estes ouriços alimentam se de algas e são capazes de criar paisagens de pedra nua chamadas branquiçais No entanto nos navios afundados a cobertura do substrato era do 100 com a comunidade bem representada algas invertebrados e peixes Nos navios afundados vimos em grande abundância espécies sensíveis como o Mero ou coral preto Também vimos grandes cardumes de peixes Avistaram se várias espécies sensíveis ou com estatuto de protecção no arquipélago da Madeira Antipathella wollastoni Megabalanus azoricus Scyllarides latus Epinephelus marginatus No Arquipélago dos Açores chamou me muito a atenção a dimensão dos organismos As mesmas espécies de peixe avistadas no Arquipélago dos Açores foram bem maiores do que no Arquipélago da Madeira Nos Açores nos pontos onde temos mergulhado a biopersidade marinha é exuberante A cobertura do fundo é 100 e a quantidade de invertebrados e peixe também foi considerável Avistaram se várias espécies sensíveis ou com estatuto de protecção Antipathella wollastoni Centrostephanus longispinus Megabalanus azoricus Scyllarides latus Epinephelus marginatus Na Campanha tem participado um conjunto numeroso e persificado de especialistas em biopersidade marinha Quais as mais valias daí decorrentes quer ao nível dos objectivos da Campanha quer a nível pessoal Foi um verdadeiro luxo contar com a colaboração de muitos especialistas A partilha da expertise de cada um dos especialistas com o resto da equipa e em especial com o M rBis enriqueceu de forma considerável a qualidade dos dados recolhidos Tal como no ano passado durante um mês de campanha aprendi imenso Considero que é uma grande oportunidade para todos os participantes oportunidade para absorver o conhecimento que os especialistas querem partilhar connosco Tivemos a sorte de contar com a imensa generosidade de alguns especialistas de grande qualidade que nos ensinaram imenso Qual é a importância dos sistemas de informação e a correcta georreferenciação dos dados obtidos no âmbito do estudo da biopersidade marinha Qual é o contributo do Sistema M rBis para esta área No Sistema M rBis além da georreferenciação das ocorrências número de inpíduos tamanhos cor estado reprodutivo etc das espécies é também recolhida a informação relativa ao tipo de substrato onde estas espécies foram avistadas ou recolhidas Esta informação é muito importante para os estudos de ecologia destas espécies ecossistemas ou habitats Como já se viu nesta campanha lugares muito próximos podem ser muito diferentes no que diz respeito à biopersidade marinha presente Por isso a correcta georreferenciação das ocorrências da biopersidade é também essencial para a eventual criação de novas áreas marinhas protegidas A correcta georreferenciação permite nos também criar cenários base para futuros estudos de evolução das espécies dos ecossistemas ou de comparação dos mesmos entre diferentes regiões Além dos dados recolhidos nas campanhas EMAM M rBis o Sistema M rBis inclui também dados procedentes de outros estudos realizados nas águas sob jurisdição nacional por persos investigadores por isso o M rBis é também uma ferramenta muito útil para os estudos comparativos ou como base de dados ou metadados sobre quem está a trabalhar e em quê na área marinha nas águas portuguesas Espera se que o M rBis possa ser uma fonte e um incentivador de colaborações entre diferentes investigadores de Portugal Nuno Vasco Rodrigues Imprimir Email URL Tweet URL Quem é Nuno Vasco Rodrigues Mestre em Estudos Integrados dos Oceanos Investigador no Grupo de Investigação de Recursos Marinhos Instituto Politécnico de Leiria Cientificamente qual é a sua área de interesse e de que modo esta se enquadra nesta Campanha O meu interesse incide na ecologia marinha de um modo geral particularmente em questões relacionadas com as áreas marinhas protegidas como ferramenta de protecção promoção da biodiversidade estruturação de comunidades de peixes e invertebrados biogeografia e taxonomia Como membro da equipa de mergulho científico da Campanha o que mais gostaria de salientar relativamente ao que observou nos vários mergulhos em que participou Há duas questões que me parecem ser interessantes salientar tanto pelo lado negativo como positivo Negativo a nudez apresentada pelo substrato rochoso na Madeira e Porto Santo resultante da pressão herbívora do ouriço Diadema Este factor é extremamente preocupante se tivermos em conta que a proliferação descontrolada destes ouriços causa a quase total inexistência das algas sendo estas a base da cadeia alimentar para muitos animais e simultaneamente substrato de fixação alimentação e reprodução para toda um ecossistema Positivo a observação frequente de espécies consideradas chave em termos de estruturação de uma comunidade nomeadamente predadores de dimensão bastante razoável como raias meros e badejos lírios e bicudas Para além destas a presença de outras espécies que podem ser consideradas como bioindicadores e que normalmente traduzem a saúde de um ecossistema tais como alguns crustáceos cavaco equinodermes ouriço de espinhos longos e moluscos Pinna Como é fazer parte de uma equipa de biólogos marinhos com especialidades muito diversas É uma experiência extremamente positiva e rentável A possibilidade de dentro de uma mesma área haver tal especificidade de conhecimentos permite abordagens bastante diferentes a um mesmo assunto e tal só beneficia em termos de aprendizagem colectiva e a missão como um todo É também uma ótima oportunidade para nos pormos a par do que está a ser feito em cada especialidade da biologia marinha tanto a nível nacional como internacional Do seu ponto de vista quais são as principais mais valias a médio e longo prazo desta Campanha A médio prazo penso que as mais valias são sobretudo o aumentar de conhecimento sobre a biodiversidade marinha que habita as nossas águas uma vez que como se percebeu ainda há imensa informação nova resultante destas expedições Penso também que esta expedição nos moldes em que foi planeada acaba por ser extremamente importante para os estudantes mais novos e novos investigadores pois permite que estes se apercebam das várias linhas de investigação existentes e tal pode definir o seu futuro profissional A longo prazo penso que as mais valias serão mais gerais esta campanha vai contribuir consideravelmente para um enriquecimento da ferramenta M rBis ferramenta essa que pode vir a revelar se fundamental no planeamento estratégico de novas linhas de investigação prioridades de pesquisa definição de hot spots de biodiversidade definição de zonas de interesse ecológico e estabelecimento de linhas de actuação para a preservação e aumento da biodiversidade marinha Irá também permitir formar profissionais mais capazes para pôr em prática todas estas acções Tenciona continuar a colaborar em iniciativas deste género Sem dúvida São experiências que proporcionam um crescimento brutal não só a nível profissional mas também pessoal É um privilégio fazer parte disto Maria Ravara José Gomes Imprimir Email URL Tweet URL Quem são Maria Ravara e José Gomes 15 anos alunos do 9º ano do Colégio St Julian s de Carcavelos Fazem parte do grupo vencedor do 2º Concurso Nacional Kit do Mar que ganhou como prémio uma temporada na Campanha EMAM PEPC M rBis 2011 a bordo do Creoula Percurso Trânsito entre Funchal a Ponta Delgada É a primeira vez que embarcam numa expedição com estas características José Gomes Não já tinha embarcado na Caravela Vera Cruz Maria Ravara Para mim é a primeira vez e estou a gostar muito O que é que têm achado da Campanha Maria Ravara É uma experiência interessante e diferente Acho que é bom variarmos as nossas actividades e fazer outras coisas Estou a aprender muito José Gomes Estou a gostar muito Gosto de vela e aqui tenho outra ideia de velejar O que é que já aprenderam José Gomes Já aprendi os diferentes tipos de vela e como trabalhar em grupo No fundo somos uma comunidade que existe dentro do navio e temos de nos organizar para viver bem juntos Maria Ravara Já aprendi as regras básicas da vela como mexer no leme e como se vive dentro de um navio Do que é que gostaram mais da vossa passagem pelo Creoula Maria Ravara Do pão com chouriço à meia noite José Gomes O que eu gostei mais foi de estar na ponte e no leme Se pudessem o que é que mudariam na vossa experiência José Gomes Nada Se tentássemos mudar as coisas não ia haver o mesmo espírito e vivência a bordo Maria Ravara Gosto imenso de estar aqui mas se mudasse alguma coisa era a altura das camas porque quando acordo bato sempre com a cabeça Fazem o trânsito entre Funchal e Ponta Delgada Gostavam de ficar mais tempo a bordo Maria Ravara Gostava de ir até Lisboa ou pelo menos até às Formigas José Gomes Eu também Adorava ficar até Lisboa E eram capazes de voltar a fazer uma viagem deste género José Gomes Faço parte da Aporvela e vou tentar repetir a experiência já em Setembro Maria Ravara Eu também repetia Acham que devia ser dada outra relevância ao Mar no nosso país Maria Ravara Sim acho que os portugueses deviam continuar com a tradição de explorar os mares José Gomes Temos uma história muito relacionada com o Mar e somos conhecidos como navegadores por isso acho que devíamos preservar mais os nossos navios e desenvolver mais a Marinha Beatriz Cachim Imprimir Email URL Tweet URL Quem é Beatriz Cachim dirigente do agrupamento 1197 dos Escuteiros Marítimos de Ponta Delgada Responsável pelo grupo de dez escuteiros presentes no Creoula Quem são os Escuteiros Marítimos de Ponta Delgada Os Escuteiros Marítimos pertencem ao Corpo Nacional de Escutas e as suas actividades são as mesmas dos escuteiros terrestres caminhadas acampamentos actividades de Igreja apoio social etc A esse tipo de iniciativas acrescentam se actividades náuticas como o mergulho canoagem vela entre outras É a primeira vez que este grupo de escuteiros embarca numa expedição com estas características Para alguns escuteiros é a primeira vez mas outros que já participaram em viagens noutros veleiros Estão aqui dois elementos por exemplo que fizeram uma viagem no Stavros Niarchos desde Ponta Delgada até ao Faial Também temos participado noutras actividades em navios como uma a bordo do Tall Ships Bounty onde foram rodados os filmes dos Piratas das Caraíbas que esteve em Ponta Delgada no ano passado O que é que os motivou a participar na Campanha EMAM PEPC M rBis 2011 Foi o desafio de vir para o Mar mais uma vez Este é o décimo aniversário dos Escuteiros Marítimos de Ponta Delgada e havendo a possibilidade de embarcar a bordo do Creoula um navio português era de aproveitar Até agora a experiência tem correspondido às expectativas Completamente Os escuteiros estão muito felizes e entusiasmados com a viagem Pessoalmente gosto muito de estar no Mar ainda para mais num navio mítico da marinha portuguesa como é o Creoula Por outro lado é importante para os escuteiros perceberem como é que se faz ciência e desmistificarem um pouco a ideia do cientista como a pessoa que está sempre metida dentro de um gabinete Também acho muito importante para jovens com esta idade participarem em todos os trabalhos do dia a dia do navio Este tipo de actividades é muito enriquecedora para qualquer pessoa que aqui embarque É o conhecimento aliado ao prazer e à descoberta Que importância atribui a este tipo de campanhas ligadas ao conhecimento do Mar A ilha de São Miguel está rodeada de Mar por todos os lados portanto tudo o que diga respeito a Mar diz respeito a todos nós O nosso vizinho é o Mar Margarida André Zoccoli Imprimir Email URL Tweet URL Quem é Margarida André Zoccoli professora de Ciências 3º Ciclo no Centro de Educação e Desenvolvimento de Nossa Senhora da Conceição da Casa Pia de Lisboa É uma de duas professoras presentes na Campanha EMAM PEPC M rBis 2011 ao abrigo do programa Professores a Bordo Percurso 30 de Junho a 9 de Julho Funchal e Porto Santo Integrou a equipa do intertidal O que é que a levou a participar no programa Professores a Bordo Já tinha conhecimento do programa desde o ano passado Na altura não participei por ser um período muito longo impossível de conciliar com o horário escolar Este ano concorri com uma turma do 8º ano ao Concurso Nacional Kit

    Original URL path: http://www.emepc.pt/pt/campanhas-emepc-m-rbis/campanha-2011/faces-do-creoula (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • Agenda
    de dados Nacionalidade dos pedidos de dados Informação Institucional Carta de Missão Diploma legal EMEPC Pagamento a fornecedores QUAR Mapa de Pessoal Subdelegação de competências Desempenho EMEPC Concursos Contactos Campanha 2015 Campanha 2014 Campanha 2013 Campanha 2012 Campanha 2011 Campanha 2010 Agenda Imprimir Email URL Tweet URL 16 de Junho Saída de Lisboa para Porto 19 de Junho Saída do Porto para Funchal 24 de Junho Saída do Funchal para as Desertas 3 de Julho Saída das Desertas para o Funchal 4 de Julho Saída do Funchal para o Porto Santo 9 de Julho Saída do Funchal para São Miguel 13 de Julho Saída de São Miguel para as Formigas 18 de Julho Saída das Formigas para São Miguel 20 de Julho Saída de São Miguel para Lisboa FaLang translation system by Faboba M rBis O Projeto M rBis Biodiversidade Marinha de Portugal Campanhas EMEPC M rBis Campanha 2015 A Campanha Organizadores Instituições Participantes Projetos a Bordo Diário de Bordo Equipa Conferências a Bordo Notícias Campanha 2014 Anúncio Organizadores Participantes Projetos a Bordo Fauna e Flora Diário de Bordo Faces do Creoula Conferências de Bordo Notícias Galeria de imagens Apoio Campanha 2013 Organizadores Participantes Projetos convidados Diário de Bordo Faces do Creoula Fauna e Flora Notícias Apoios Galeria de imagens Campanha 2012 Organizadores Entidades participantes Descrição Diário de Bordo Faces do Creoula Faces do Kit Fauna e Flora Ponto da Situação Avisos aos Participantes Anúncio Campanha 2011 EMAM PEPC M rBis 2011 Descrição Organizadores Participantes Ponto da Situação Diário de Bordo Posição N T M Creoula Faces do Creoula Agenda Imprensa Campanha 2010 Objetivos Participantes Patrocinadores Diário de Bordo Fauna e Flora Notícias Visualizador M rBis Publicações BioMar PT Equipa DESTAQUES Conheça o Projeto de Extensão Fique a conhecer o Projeto de Extensão da Plataf ler Livro EMEPC O livro

    Original URL path: http://www.emepc.pt/pt/campanhas-emepc-m-rbis/campanha-2011/agenda (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • Imprensa
    abordo blogspot com Campanha EMAM PEPC M rBis 2011 Noticia Correio da Manhã Imprimir Email URL Tweet URL Campanha EMAM PEPC M rBis 2011 Noticia no Correio da Manhã http www cmjornal xl pt detalhe noticias outros tema da semana creoula apoia cientistas Campanha EMAM PEPC M rBis 2011 em O Baluarte de Santa Maria Imprimir Email URL Tweet URL Campanha EMAM PEPC M rBis 2011 em O Baluarte de Santa Maria http www imprensaregional com pt obaluarte Campanha EMAM PEPC M rBis 2011 na RTP Açores Imprimir Email URL Tweet URL Campanha EMAM PEPC M rBis 2011 na RTP Açores http videos sapo pt rtpacores dSsmQqOS2Cr8317MYSSQ Apartir do minuto 18 40 Campanha EMAM PEPC M rBis 2011 no site do Governo Regional dos Açores Imprimir Email URL Tweet URL Campanha EMAM PEPC M rBis 2011 no site do Governo Regional dos Açores http www azores gov pt GaCS Noticias 2011 Julho C3 81lamo Meneses real C3 A7a import C3 A2ncia da miss C3 A3o cient C3 ADfica em curso nas Formigas htm Campanha EMAM PEPC M rBis 2011 na TVI 24 Imprimir Email URL Tweet URL Campanha EMAM PEPC M rBis 2011 na TVI24 http www frequency com video tvi24 campanha emam pepc mrbis 9434663 Campanha EMAM PEPC M rBis 2011 no Telejornal Madeira Imprimir Email URL Tweet URL Campanha EMAM PEPC M rBis 2011 Telejornal Madeira 2011 07 03 http ww1 rtp pt programas rtp index php p id 15790 c id dif tv idpod 59290 A partir do minuto 14 40 Mais artigos Fotos da Campanha EMAM PEPC M rBis 2011 Formigas Campanha EMAM PEPC M rBis 2011 Correio dos Açores cardigoso blogspot Campanha EMAM PEPC M rBis 2011 entrevista na TVI Biodiversidade marinha investigada a pente fino Ambiente Online Pág 1 de 2 Início Anterior 1

    Original URL path: http://www.emepc.pt/pt/campanhas-emepc-m-rbis/campanha-2011/imprensa (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • Campanha 2010
    EMEPC M rbis Selvagens 2010 foi a maior campanha científica de sempre no mar feita por Portugal e foi organizada pela EMEPC inserindo se no âmbito do Projeto M rBis Com vista ao desenvolvimento e implementação do M rBis e considerando a enorme riqueza natural das Selvagens foi realizada a campanha EMEPC M rBis Selvagens 2010 com o objetivo principal de proceder à inventariação e censos destas ilhas e ilhéus do território nacional por forma a carregar e testar a estrutura informática e de base de dados do sistema Esta campanha decorreu de 3 de junho a 5 de julho de 2010 e envolveu uma equipa de mais de 70 cientistas provenientes de Universidades Laboratórios Associados e Instituições nacionais e internacionais e teve os seguintes objetivos Inventariação da Fauna e Flora terrestres e marinhas das Ilhas Selvagens no quadro do Projeto M rBis inovação integração e multidisciplinaridade Teste e ensaios ao Sistema de Informação para a Biodiversidade Marinha passo fundamental do desenvolvimento do Sistema de Apoio à Decisão com vista à monitorização e conservação da biodiversidade e ambiente marinhos Caracterização do sistema natural nas componentes oceanográficas e geológicas Confirmação das marcas geodésicas nas Ilhas Selvagens Pedro Gomes Pedro Gomes FaLang translation system by Faboba M rBis O Projeto M rBis Biodiversidade Marinha de Portugal Campanhas EMEPC M rBis Campanha 2015 A Campanha Organizadores Instituições Participantes Projetos a Bordo Diário de Bordo Equipa Conferências a Bordo Notícias Campanha 2014 Anúncio Organizadores Participantes Projetos a Bordo Fauna e Flora Diário de Bordo Faces do Creoula Conferências de Bordo Notícias Galeria de imagens Apoio Campanha 2013 Organizadores Participantes Projetos convidados Diário de Bordo Faces do Creoula Fauna e Flora Notícias Apoios Galeria de imagens Campanha 2012 Organizadores Entidades participantes Descrição Diário de Bordo Faces do Creoula Faces do Kit Fauna e Flora Ponto

    Original URL path: http://www.emepc.pt/pt/campanhas-emepc-m-rbis/campanha-2010 (2016-02-18)
    Open archived version from archive

  • Objetivos
    EMEPC M rBis Selvagens 2010 com o objectivo principal de proceder à inventariação e censos destas ilhas e ilhéus do território nacional por forma a carregar e testar a estrutura informática e de base de dados do sistema e contribuir para o Projeto de Extensão da Plataforma Continental de Portugal Redesenhar as Selvagens Alargar Portugal No âmbito do Projeto de Extensão da Plataforma Continental torna se necessária a determinação com exactidão da distribuição geográfica das parcelas do território nacional para o que será confirmada a rede geodésica da referência Será também realizado o levantamento geofísico da área incluindo batimetria magnetismo gravimetria e amostragem geológica para complemento e consolidação do modelo global do prolongamento natural do território emerso A Campanha EMEPC M rbis Selvagens 2010 é a maior campanha científica de sempre no mar feita por Portugal e é organizada pela EMEPC Estrutura de Missão para a Extensão da Plataforma Continental inserindo se no âmbito do programa M rbis Marine Biodiversity Information System Esta campanha a decorrer de 3 de Junho a 5 de Julho de 2010 e que envolverá uma equipa de mais de 70 cientistas de mais de 30 Universidades Laboratórios Associados e Instituições nacionais e internacionais terá os seguintes objectivos Inventariação da Fauna e Flora terrestres e marinhas das Ilhas Selvagens no quadro do Projeto M rBis inovação integração e multidisciplinaridade Teste e ensaios ao Sistema de Informação para a Biodiversidade Marinha passo fundamental do desenvolvimento do Sistema de Apoio à Decisão com vista à monitorização e conservação da biodiversidade e ambiente marinhos Caracterização do sistema natural nas componentes oceanográficas e geológicas Confirmação das marcas geodésicas nas Ilhas Selvagens FaLang translation system by Faboba M rBis O Projeto M rBis Biodiversidade Marinha de Portugal Campanhas EMEPC M rBis Campanha 2015 A Campanha Organizadores Instituições Participantes Projetos a Bordo

    Original URL path: http://www.emepc.pt/pt/campanhas-emepc-m-rbis/campanha-2010/objetivos (2016-02-18)
    Open archived version from archive