web-archive-pt.com » PT » I » IGFSE.PT

Total: 809

Choose link from "Titles, links and description words view":

Or switch to "Titles and links view".
  • Instituto de Gestão do Fundo Social Europeu - Texto do Coordenador do Ano Europeu do Combate à Pobreza e à Exclusão Social, Dr. Edmundo Martinho
    Combate à Pobreza e à Exclusão Social Dr Edmundo Martinho A importância do Fundo Social Europeu no contexto do desenvolvimento nacional O Fundo Social Europeu FSE é um dos Fundos Estruturais da União Europeia mais importantes e foi concebido com o intuito de reduzir as diferenças de desenvolvimento económico entre os Estados Membros bem como as diferenças nas condições de vida dos respectivos cidadãos promovendo a coesão económica e social no espaço europeu Ao longo dos seus mais de cinquenta anos de existência é inquestionável que o FSE contribuiu para o desenvolvimento e a coesão social dos Estados Membros e claro de Portugal que é um dos países que mais tem beneficiado com os apoios conferidos no âmbito deste Fundo Historicamente a matriz do FSE está associada à promoção do emprego na União Europeia E de facto milhões de pessoas dos Estados Membros beneficiaram de iniciativas apoiadas pelo FSE destinadas à criação de empregos ao apoio na formação e qualificação dos indivíduos e até na criação de novas empresas Contudo a versatilidade do FSE permitiu financiar outro tipo de acções em áreas muito diferenciadas desempenhando um importante papel por exemplo no combate à pobreza e à exclusão social e na promoção da igualdade de género e da igualdade de oportunidades Em Portugal na última década do século anterior o FSE foi um instrumento importante no apoio aos grupos mais carenciados ou às regiões mais excluídas e pobres dentro do princípio de que o financiamento comunitário se adicionava às acções e ao financiamento nacionais Programas como o Horizon o Integra o Youthstart e o Now entre outros apoiados pelo FSE contribuíram para melhorar a situação social de pessoas com deficiência jovens pouco qualificados e outros grupos desfavorecidos e colocaram a igualdade de género na agenda política do país Em síntese o

    Original URL path: http://www.igfse.pt/st_sobreigfse_10Anivers.asp?startAt=2&categoryID=401&newsID=2120&offset=5 (2016-01-01)
    Open archived version from archive


  • Instituto de Gestão do Fundo Social Europeu - Texto do Coordenador do Ano Europeu do Combate à Pobreza e à Exclusão Social, Dr. Edmundo Martinho
    contexto do desenvolvimento nacional O Fundo Social Europeu FSE é um dos Fundos Estruturais da União Europeia mais importantes e foi concebido com o intuito de reduzir as diferenças de desenvolvimento económico entre os Estados Membros bem como as diferenças nas condições de vida dos respectivos cidadãos promovendo a coesão económica e social no espaço europeu Ao longo dos seus mais de cinquenta anos de existência é inquestionável que o FSE contribuiu para o desenvolvimento e a coesão social dos Estados Membros e claro de Portugal que é um dos países que mais tem beneficiado com os apoios conferidos no âmbito deste Fundo Historicamente a matriz do FSE está associada à promoção do emprego na União Europeia E de facto milhões de pessoas dos Estados Membros beneficiaram de iniciativas apoiadas pelo FSE destinadas à criação de empregos ao apoio na formação e qualificação dos indivíduos e até na criação de novas empresas Contudo a versatilidade do FSE permitiu financiar outro tipo de acções em áreas muito diferenciadas desempenhando um importante papel por exemplo no combate à pobreza e à exclusão social e na promoção da igualdade de género e da igualdade de oportunidades Em Portugal na última década do século anterior o FSE foi um instrumento importante no apoio aos grupos mais carenciados ou às regiões mais excluídas e pobres dentro do princípio de que o financiamento comunitário se adicionava às acções e ao financiamento nacionais Programas como o Horizon o Integra o Youthstart e o Now entre outros apoiados pelo FSE contribuíram para melhorar a situação social de pessoas com deficiência jovens pouco qualificados e outros grupos desfavorecidos e colocaram a igualdade de género na agenda política do país Em síntese o FSE desempenhou um papel importante no desenvolvimento nacional e contribuiu para os avanços verificados no combate à

    Original URL path: http://www.igfse.pt/st_sobreigfse_10Anivers.asp?startAt=2&categoryID=401&newsID=2120&offset=10 (2016-01-01)
    Open archived version from archive

  • Instituto de Gestão do Fundo Social Europeu -
    União Europeia E de facto milhões de pessoas dos Estados Membros beneficiaram de iniciativas apoiadas pelo FSE destinadas à criação de empregos ao apoio na formação e qualificação dos indivíduos e até na criação de novas empresas Contudo a versatilidade do FSE permitiu financiar outro tipo de acções em áreas muito diferenciadas desempenhando um importante papel por exemplo no combate à pobreza e à exclusão social e na promoção da igualdade de género e da igualdade de oportunidades Em Portugal na última década do século anterior o FSE foi um instrumento importante no apoio aos grupos mais carenciados ou às regiões mais excluídas e pobres dentro do princípio de que o financiamento comunitário se adicionava às acções e ao financiamento nacionais Programas como o Horizon o Integra o Youthstart e o Now entre outros apoiados pelo FSE contribuíram para melhorar a situação social de pessoas com deficiência jovens pouco qualificados e outros grupos desfavorecidos e colocaram a igualdade de género na agenda política do país Em síntese o FSE desempenhou um papel importante no desenvolvimento nacional e contribuiu para os avanços verificados no combate à pobreza e à exclusão particularmente nas duas últimas décadas e acreditamos continuará a desempenhar o

    Original URL path: http://www.igfse.pt/print_popup.asp?startAt=2&categoryID=401&newsID=2120 (2016-01-01)
    Open archived version from archive

  • Instituto de Gestão do Fundo Social Europeu - Texto da CGTP-IN
    apoiadas pelo FSE e 10 do IGFSE têm no entanto dimensões às quais a CGTP IN numa avaliação ao impacto da aplicação e efectivação da Política Pública em Portugal não pode deixar de realçar Desde logo sendo o FSE um importante instrumento para efectivar uma política que tenha as pessoas no centro que tem como objectivo primordial melhorar o acesso ao emprego e aumentar as qualificações dos trabalhadores as potencialidades do FSE têm um alcance que no caso concreto de 25 anos de aplicação no nosso país não têm sido suficientemente aprofundadas As opções políticas dos sucessivos Governos ao longo dos últimos 25 anos têm relegado para segundo plano a valorização profissional e pessoal dos trabalhadores em detrimento da sobrevalorização do mercado e de quem o determina e comanda Esta opção é no nosso entender um entrave às potencialidades do FSE A própria linha política emanada pela União Europeia UE seguida no plano interno converte os aspectos sociais da política económica em mero paliativo da opção por uma Europa do mercado e da finança Assim sem prejuízo de aspectos de inegável alcance que o FSE trouxe aos trabalhadores e ao país o impacto do FSE não pode ser dissociado do contexto da sua aplicação Com efeito ao nível da qualificação a massificação da precariedade laboral é hoje um entrave objectivo à promoção e efectivação do direito de formação profissional que a legislação contempla e o FSE apoia Os incentivos que os agentes económicos têm para promover e desenvolver a formação num quadro em que a duração da relação laboral está predeterminada e é curta são limitados Por outro lado a formação profissional que é desenvolvida é desaproveitada uma vez que a elevada rotatividade dos trabalhadores no desemprego e entre empregos condiciona e amputa o impacto da formação e a sua

    Original URL path: http://www.igfse.pt/st_sobreigfse_10Anivers.asp?startAt=2&categoryID=401&newsID=2109&offset=5 (2016-01-01)
    Open archived version from archive

  • Instituto de Gestão do Fundo Social Europeu - Texto da CGTP-IN
    avaliação ao impacto da aplicação e efectivação da Política Pública em Portugal não pode deixar de realçar Desde logo sendo o FSE um importante instrumento para efectivar uma política que tenha as pessoas no centro que tem como objectivo primordial melhorar o acesso ao emprego e aumentar as qualificações dos trabalhadores as potencialidades do FSE têm um alcance que no caso concreto de 25 anos de aplicação no nosso país não têm sido suficientemente aprofundadas As opções políticas dos sucessivos Governos ao longo dos últimos 25 anos têm relegado para segundo plano a valorização profissional e pessoal dos trabalhadores em detrimento da sobrevalorização do mercado e de quem o determina e comanda Esta opção é no nosso entender um entrave às potencialidades do FSE A própria linha política emanada pela União Europeia UE seguida no plano interno converte os aspectos sociais da política económica em mero paliativo da opção por uma Europa do mercado e da finança Assim sem prejuízo de aspectos de inegável alcance que o FSE trouxe aos trabalhadores e ao país o impacto do FSE não pode ser dissociado do contexto da sua aplicação Com efeito ao nível da qualificação a massificação da precariedade laboral é hoje um entrave objectivo à promoção e efectivação do direito de formação profissional que a legislação contempla e o FSE apoia Os incentivos que os agentes económicos têm para promover e desenvolver a formação num quadro em que a duração da relação laboral está predeterminada e é curta são limitados Por outro lado a formação profissional que é desenvolvida é desaproveitada uma vez que a elevada rotatividade dos trabalhadores no desemprego e entre empregos condiciona e amputa o impacto da formação e a sua aplicação no trabalho Ainda no que concerne à efectivação dos objectivos do FSE fruto das opções políticas

    Original URL path: http://www.igfse.pt/st_sobreigfse_10Anivers.asp?startAt=2&categoryID=401&newsID=2109&offset=10 (2016-01-01)
    Open archived version from archive

  • Instituto de Gestão do Fundo Social Europeu -
    aplicação no nosso país não têm sido suficientemente aprofundadas As opções políticas dos sucessivos Governos ao longo dos últimos 25 anos têm relegado para segundo plano a valorização profissional e pessoal dos trabalhadores em detrimento da sobrevalorização do mercado e de quem o determina e comanda Esta opção é no nosso entender um entrave às potencialidades do FSE A própria linha política emanada pela União Europeia UE seguida no plano interno converte os aspectos sociais da política económica em mero paliativo da opção por uma Europa do mercado e da finança Assim sem prejuízo de aspectos de inegável alcance que o FSE trouxe aos trabalhadores e ao país o impacto do FSE não pode ser dissociado do contexto da sua aplicação Com efeito ao nível da qualificação a massificação da precariedade laboral é hoje um entrave objectivo à promoção e efectivação do direito de formação profissional que a legislação contempla e o FSE apoia Os incentivos que os agentes económicos têm para promover e desenvolver a formação num quadro em que a duração da relação laboral está predeterminada e é curta são limitados Por outro lado a formação profissional que é desenvolvida é desaproveitada uma vez que a elevada rotatividade dos trabalhadores no desemprego e entre empregos condiciona e amputa o impacto da formação e a sua aplicação no trabalho Ainda no que concerne à efectivação dos objectivos do FSE fruto das opções políticas que vêm sendo adoptadas a destruição de empregos em especial na esfera produtiva põem em causa o papel do FSE no acesso ao trabalho Dados recentemente publicados apontam para uma significativa e continuada quebra do emprego aspecto exterior ao FSE mas que emana do contexto da sua aplicação e que delimita o objectivo do acesso ao emprego Um país mais dependente do exterior mais endividado com

    Original URL path: http://www.igfse.pt/print_popup.asp?startAt=2&categoryID=401&newsID=2109 (2016-01-01)
    Open archived version from archive

  • Instituto de Gestão do Fundo Social Europeu - Texto do Gestor do PO do FSE para os Açores, Pro-Emprego, Dr. Rui Bettencourt
    melhorados desempenham um forte papel estratégico no seu desenvolvimento Por outro lado a 1 400 km do continente português a 2 700 km de Bruxelas e a 3 500 km de Nova Iorque os Açores ocupam uma situação ultraperiférica ao mesmo tempo que uma posição geoestratégica de plataforma intercontinental As fragilidades decorrentes da pequena dimensão açoriana podem também constituir positivamente um incentivo a que no desenvolvimento regional se promova com mais intensidade o factor humano A pequena dimensão também pode positivamente fazer com que os Açores possam ser um verdadeiro laboratório social e de inovação de políticas cujo impacto será porventura mais fácil verificar É assim que considerando um importante período de investimento do Fundo Social Europeu nos Açores os anos que vão de 1997 a 2009 podemos com alguma segurança verificar o impacto extraordinário do investimento nas pessoas operado nos Açores através dos seus Programas Operacionais Quando do encerramento em Janeiro 2010 do Programa Operacional do Fundo Social Europeu que alimentou o Plano Regional de Emprego naquele período o impacto revelou se importante já que para o período de operacionalização daquele Programa o número de trabalhadores nos Açores aumentou 18 diminui 57 o número de desempregados a duração no desemprego foi fortemente reduzida passando de uma percentagem de 42 de Desempregados de Longa Duração inscritos no desemprego há mais de um ano para 20 5 aumentou 22 o número de jovens e 41 o número de mulheres a trabalhar aumentou 33 o n de trabalhadores nos Quadros de Pessoal das Empresas Privadas sendo o aumento de 52 para as mulheres aumentou 53 os Quadros superiores das empresas sendo o aumento de 121 para as mulheres quadros superiores aumentou 67 o número de trabalhadores altamente qualificados nos quadros das empresas sendo o aumento de 299 nas mulheres altamente qualificadas Nunca

    Original URL path: http://www.igfse.pt/st_sobreigfse_10Anivers.asp?startAt=2&categoryID=401&newsID=2107&offset=5 (2016-01-01)
    Open archived version from archive

  • Instituto de Gestão do Fundo Social Europeu - Texto do Gestor do PO do FSE para os Açores, Pro-Emprego, Dr. Rui Bettencourt
    continente português a 2 700 km de Bruxelas e a 3 500 km de Nova Iorque os Açores ocupam uma situação ultraperiférica ao mesmo tempo que uma posição geoestratégica de plataforma intercontinental As fragilidades decorrentes da pequena dimensão açoriana podem também constituir positivamente um incentivo a que no desenvolvimento regional se promova com mais intensidade o factor humano A pequena dimensão também pode positivamente fazer com que os Açores possam ser um verdadeiro laboratório social e de inovação de políticas cujo impacto será porventura mais fácil verificar É assim que considerando um importante período de investimento do Fundo Social Europeu nos Açores os anos que vão de 1997 a 2009 podemos com alguma segurança verificar o impacto extraordinário do investimento nas pessoas operado nos Açores através dos seus Programas Operacionais Quando do encerramento em Janeiro 2010 do Programa Operacional do Fundo Social Europeu que alimentou o Plano Regional de Emprego naquele período o impacto revelou se importante já que para o período de operacionalização daquele Programa o número de trabalhadores nos Açores aumentou 18 diminui 57 o número de desempregados a duração no desemprego foi fortemente reduzida passando de uma percentagem de 42 de Desempregados de Longa Duração inscritos no desemprego há mais de um ano para 20 5 aumentou 22 o número de jovens e 41 o número de mulheres a trabalhar aumentou 33 o n de trabalhadores nos Quadros de Pessoal das Empresas Privadas sendo o aumento de 52 para as mulheres aumentou 53 os Quadros superiores das empresas sendo o aumento de 121 para as mulheres quadros superiores aumentou 67 o número de trabalhadores altamente qualificados nos quadros das empresas sendo o aumento de 299 nas mulheres altamente qualificadas Nunca nos Açores num espaço de tempo equivalente houve um tal salto no emprego e nomeadamente no emprego

    Original URL path: http://www.igfse.pt/st_sobreigfse_10Anivers.asp?startAt=2&categoryID=401&newsID=2107&offset=10 (2016-01-01)
    Open archived version from archive