web-archive-pt.com » PT » I » IGFSE.PT

Total: 809

Choose link from "Titles, links and description words view":

Or switch to "Titles and links view".
  • Instituto de Gestão do Fundo Social Europeu -
    que os Açores possam ser um verdadeiro laboratório social e de inovação de políticas cujo impacto será porventura mais fácil verificar É assim que considerando um importante período de investimento do Fundo Social Europeu nos Açores os anos que vão de 1997 a 2009 podemos com alguma segurança verificar o impacto extraordinário do investimento nas pessoas operado nos Açores através dos seus Programas Operacionais Quando do encerramento em Janeiro 2010 do Programa Operacional do Fundo Social Europeu que alimentou o Plano Regional de Emprego naquele período o impacto revelou se importante já que para o período de operacionalização daquele Programa o número de trabalhadores nos Açores aumentou 18 diminui 57 o número de desempregados a duração no desemprego foi fortemente reduzida passando de uma percentagem de 42 de Desempregados de Longa Duração inscritos no desemprego há mais de um ano para 20 5 aumentou 22 o número de jovens e 41 o número de mulheres a trabalhar aumentou 33 o n de trabalhadores nos Quadros de Pessoal das Empresas Privadas sendo o aumento de 52 para as mulheres aumentou 53 os Quadros superiores das empresas sendo o aumento de 121 para as mulheres quadros superiores aumentou 67 o número de trabalhadores altamente qualificados nos quadros das empresas sendo o aumento de 299 nas mulheres altamente qualificadas Nunca nos Açores num espaço de tempo equivalente houve um tal salto no emprego e nomeadamente no emprego qualificado Dentro do mesmo período entre 2001 e 2007 a produtividade do sector primário aumentava mais de 5 000 por trabalhador seja nos sectores primário secundário ou terciário Na construção do futuro pretendemos agir sobre os diferentes factores que condicionam o desenvolvimento da Região a qualificação das pessoas claro mas também a qualidade a organização e o empreendedorismo empresarial a inovação a investigação e o desenvolvimento

    Original URL path: http://www.igfse.pt/print_popup.asp?startAt=2&categoryID=401&newsID=2107 (2016-01-01)
    Open archived version from archive


  • Instituto de Gestão do Fundo Social Europeu - Texto do GEP - Gabinete de Estratégia e Planeamento do MTSS
    na denominada Estratégia de Lisboa cujo objectivo triangular visava tornar a Europa na economia baseada no conhecimento mais competitiva do mundo com mais e melhor emprego e com maior coesão social Em 2005 assistiu se ao relançamento da Estratégia de Lisboa Parceria de Lisboa para o Crescimento e Emprego com a introdução de novos elementos nomeadamente de governação Neste percurso surge agora a estratégia Europa 2020 que procura reforçar a coordenação entre três vectores fundamentais de crescimento que deverão orientar as acções concretas tanto a nível da UE como a nível nacional Crescimento inteligente promover o conhecimento a inovação a educação e a sociedade digital Crescimento sustentável tornar a nosso aparelho produtivo mais eficiente em termos de recursos ao mesmo tempo que se reforça a nossa competitividade Crescimento inclusivo aumento da taxa de participação no mercado de trabalho aquisição de qualificações e luta contra a pobreza O Fundo Social Europeu FSE tem assumido um papel fulcral neste processo No caso de Portugal destaca se o seu contributo fundamental na resposta aos problemas estruturais nomeadamente em termos de qualificação e de emprego potenciadores da coesão económica social e territorial O esforço de investimento em capital humano associado a uma cultura de aprendizagem ao longo da vida tem desempenhado um papel cimeiro na promoção de mais e melhor emprego contribuindo directamente para a promoção da inclusão social com impacto no longo prazo na coesão do território e no desenvolvimento económico e social do país Paralelamente ao nível individual traduz se em desenvolvimento pessoal melhoria expectável da empregabilidade da qualidade de vida e do exercício de cidadania Não obstante o caminho percorrido o reforço da educação e da qualificação da população portuguesa continua a constituir um desafio fundamental sendo a aposta direccionada quer para os jovens que detêm baixos níveis educacionais quer para a população activa que no geral dispõe de baixas qualificações Exemplo disso é a Iniciativa Novas Oportunidades lançada em 2005 com um forte apoio do Fundo Social Europeu direccionada para jovens e adultos e fortemente promotora quer do aumento da participação em acções de educação e formação quer da diminuição do abandono escolar precoce No que se refere aos jovens foi atingido o grande objectivo inicial aumentar os rácios de participação de jovens em cursos profissionalizantes para os 50 No que se refere aos adultos foi igualmente atingido outro grande objectivo abranger mais de um milhão de adultos em acções de educação e formação e processos de reconhecimento validação e certificação de competências O contributo do FSE para a prioridade das políticas públicas de educação e formação continua a ser visível no acréscimo de mais de 10 pontos percentuais no conjunto dos fundos estruturais que o país receberá até 2013 Prevê se um investimento público total de cerca de 9 mil milhões de euros estando cerca de 6 mil milhões afectos ao desenvolvimento das políticas que integram a Iniciativa Novas Oportunidades nomeadamente através do Programa Operacional do Potencial Humano Para além das temáticas intrinsecamente relacionadas com estratégias de qualificação emprego

    Original URL path: http://www.igfse.pt/st_sobreigfse_10Anivers.asp?startAt=2&categoryID=401&newsID=2091&offset=5 (2016-01-01)
    Open archived version from archive

  • Instituto de Gestão do Fundo Social Europeu - Texto do GEP - Gabinete de Estratégia e Planeamento do MTSS
    mais competitiva do mundo com mais e melhor emprego e com maior coesão social Em 2005 assistiu se ao relançamento da Estratégia de Lisboa Parceria de Lisboa para o Crescimento e Emprego com a introdução de novos elementos nomeadamente de governação Neste percurso surge agora a estratégia Europa 2020 que procura reforçar a coordenação entre três vectores fundamentais de crescimento que deverão orientar as acções concretas tanto a nível da UE como a nível nacional Crescimento inteligente promover o conhecimento a inovação a educação e a sociedade digital Crescimento sustentável tornar a nosso aparelho produtivo mais eficiente em termos de recursos ao mesmo tempo que se reforça a nossa competitividade Crescimento inclusivo aumento da taxa de participação no mercado de trabalho aquisição de qualificações e luta contra a pobreza O Fundo Social Europeu FSE tem assumido um papel fulcral neste processo No caso de Portugal destaca se o seu contributo fundamental na resposta aos problemas estruturais nomeadamente em termos de qualificação e de emprego potenciadores da coesão económica social e territorial O esforço de investimento em capital humano associado a uma cultura de aprendizagem ao longo da vida tem desempenhado um papel cimeiro na promoção de mais e melhor emprego contribuindo directamente para a promoção da inclusão social com impacto no longo prazo na coesão do território e no desenvolvimento económico e social do país Paralelamente ao nível individual traduz se em desenvolvimento pessoal melhoria expectável da empregabilidade da qualidade de vida e do exercício de cidadania Não obstante o caminho percorrido o reforço da educação e da qualificação da população portuguesa continua a constituir um desafio fundamental sendo a aposta direccionada quer para os jovens que detêm baixos níveis educacionais quer para a população activa que no geral dispõe de baixas qualificações Exemplo disso é a Iniciativa Novas Oportunidades lançada em 2005 com um forte apoio do Fundo Social Europeu direccionada para jovens e adultos e fortemente promotora quer do aumento da participação em acções de educação e formação quer da diminuição do abandono escolar precoce No que se refere aos jovens foi atingido o grande objectivo inicial aumentar os rácios de participação de jovens em cursos profissionalizantes para os 50 No que se refere aos adultos foi igualmente atingido outro grande objectivo abranger mais de um milhão de adultos em acções de educação e formação e processos de reconhecimento validação e certificação de competências O contributo do FSE para a prioridade das políticas públicas de educação e formação continua a ser visível no acréscimo de mais de 10 pontos percentuais no conjunto dos fundos estruturais que o país receberá até 2013 Prevê se um investimento público total de cerca de 9 mil milhões de euros estando cerca de 6 mil milhões afectos ao desenvolvimento das políticas que integram a Iniciativa Novas Oportunidades nomeadamente através do Programa Operacional do Potencial Humano Para além das temáticas intrinsecamente relacionadas com estratégias de qualificação emprego e inclusão destacam se igualmente os contributos do FSE para a promoção de políticas de igualdade de

    Original URL path: http://www.igfse.pt/st_sobreigfse_10Anivers.asp?startAt=2&categoryID=401&newsID=2091&offset=10 (2016-01-01)
    Open archived version from archive

  • Instituto de Gestão do Fundo Social Europeu - Estratégia Europeia para o Emprego
    título VIII Emprego a coordenação das políticas nacionais de emprego tornou se uma prioridade comunitária Foi com base nessas novas disposições que o Conselho Europeu do Luxemburgo em novembro de 1997 lançou a Estratégia Europeia de Emprego também designada por Processo do Luxemburgo A Estratégia Europeia de Emprego é um programa anual de planificação acompanhamento análise e adatação das políticas empreendidas pelos Estados Membros para coordenar os respetivos instrumentos de combate ao desemprego Apoia se em quatro instrumentos As orientações para o emprego prioridades comuns para as políticas de emprego dos Estados Membros elaboradas pela Comissão Os Planos de Ação Nacionais para o Emprego PAN concretização à escala nacional das orientações comuns O Relatório Conjunto sobre o Emprego síntese dos planos de ação nacionais que servirá de base à elaboração das orientações para o ano seguinte As recomendações adoção por parte do Conselho deliberando por maioria qualificada de recomendações específicas dirigidas a cada país Em 2005 a Estratégia de Lisboa foi revista com o objetivo de recentrar os esforços no desenvolvimento de um crescimento forte e sustentável e na criação de mais e melhores empregos Este relançamento da Estratégia de Lisboa conduziu a uma revisão completa da Estratégia Europeia de

    Original URL path: http://www.igfse.pt/st_glossario.asp?startAt=2&categoryID=291&newsID=1832&offset=5 (2016-01-01)
    Open archived version from archive

  • Instituto de Gestão do Fundo Social Europeu - Estratégia de Lisboa
    com o objetivo de tornar a União Europeia na economia mais competitiva do mundo e alcançar o objetivo de pleno emprego até 2010 Desenvolvida em vários Conselhos Europeus posteriores ao de Lisboa esta estratégia assenta em três pilares Um pilar económico que deve preparar a transição para uma economia competitiva dinâmica e baseada no conhecimento É dada prioridade à necessidade permanente de adaptação à evolução da sociedade de informação e aos esforços a realizar em matéria de investigação e desenvolvimento Um pilar social que deverá permitir modernizar o modelo social europeu graças ao investimento nos recursos humanos e à luta contra a exclusão social Os Estados Membros são instados a investir na educação e na formação e a desenvolver uma política ativa a favor do emprego de modo a facilitar a transição para a economia do conhecimento Um pilar ambiental acrescentado no Conselho Europeu de Gotemburgo em junho de 2001 e que chama a atenção para a necessidade de dissociar o crescimento económico da utilização dos recursos naturais Para atingir os objetivos fixados em 2000 foi estabelecida uma lista de objetivos quantitativos Tendo em conta que as políticas em causa dependem quase exclusivamente das competências atribuídas aos Estados Membros foi adotado um método aberto de coordenação que inclui a elaboração de planos de ação nacionais Para além das grandes orientações das políticas económicas a Estratégia de Lisboa prevê a adaptação e o reforço dos processos de coordenação já existentes o Processo do Luxemburgo para o emprego o Processo de Cardiff para o funcionamento dos mercados bens serviços e capitais e o Processo de Colónia no domínio do diálogo macroeconómico O balanço intercalar elaborado em 2005 por Wim Kok antigo Primeiro Ministro dos Países Baixos revelou que os indicadores utilizados no método aberto de coordenação fizeram perder de vista a hierarquização

    Original URL path: http://www.igfse.pt/st_glossario.asp?startAt=2&categoryID=291&newsID=1831&offset=5 (2016-01-01)
    Open archived version from archive

  • Instituto de Gestão do Fundo Social Europeu -
    coesão económica social e territorial O esforço de investimento em capital humano associado a uma cultura de aprendizagem ao longo da vida tem desempenhado um papel cimeiro na promoção de mais e melhor emprego contribuindo directamente para a promoção da inclusão social com impacto no longo prazo na coesão do território e no desenvolvimento económico e social do país Paralelamente ao nível individual traduz se em desenvolvimento pessoal melhoria expectável da empregabilidade da qualidade de vida e do exercício de cidadania Não obstante o caminho percorrido o reforço da educação e da qualificação da população portuguesa continua a constituir um desafio fundamental sendo a aposta direccionada quer para os jovens que detêm baixos níveis educacionais quer para a população activa que no geral dispõe de baixas qualificações Exemplo disso é a Iniciativa Novas Oportunidades lançada em 2005 com um forte apoio do Fundo Social Europeu direccionada para jovens e adultos e fortemente promotora quer do aumento da participação em acções de educação e formação quer da diminuição do abandono escolar precoce No que se refere aos jovens foi atingido o grande objectivo inicial aumentar os rácios de participação de jovens em cursos profissionalizantes para os 50 No que se refere aos adultos foi igualmente atingido outro grande objectivo abranger mais de um milhão de adultos em acções de educação e formação e processos de reconhecimento validação e certificação de competências O contributo do FSE para a prioridade das políticas públicas de educação e formação continua a ser visível no acréscimo de mais de 10 pontos percentuais no conjunto dos fundos estruturais que o país receberá até 2013 Prevê se um investimento público total de cerca de 9 mil milhões de euros estando cerca de 6 mil milhões afectos ao desenvolvimento das políticas que integram a Iniciativa Novas Oportunidades nomeadamente através

    Original URL path: http://www.igfse.pt/print_popup.asp?startAt=2&categoryID=401&newsID=2091 (2016-01-01)
    Open archived version from archive

  • Instituto de Gestão do Fundo Social Europeu - Texto do ex-Presidente do CD do IGFSE, Dr. Valadas da Silva
    da CIP Confederação da Indústria Portuguesa Texto do ex Presidente do CD do IGFSE Dr Francisco Ramos Texto do Gestor do Programa Operacional Valorização do Potencial Humano e Coesão Social da Região Autónoma da Madeira Dr Sílvio Costa 1 2 3 Texto do ex Presidente do CD do IGFSE Dr Valadas da Silva A importância do Fundo Social Europeu Pese embora o risco de repetição não resisto uma vez mais em sublinhar a importância e o papel extremamente positivo que o Fundo Social Europeu o primeiro Fundo de natureza estrutural instituído em 1957 por um acto de direito originário tem desempenhado no quadro da politica social e de coesão da União Europeia É evidente que o quadro de intervenção do FSE que hoje conhecemos é naturalmente bem diferente daquele que então lhe foi assinalado como aliás são diferentes os problemas que actualmente enfrentamos mas nem por isso foram comprometidos os objectivos e a matriz em que se fundou a sua criação A verdade é que o Fundo foi e continua a ser um dos mais importantes instrumentos financeiros ao serviço da politica social da União Europeia de que têm beneficiado muitas empresas e gerações de trabalhadores europeus em áreas como por exemplo a prevenção e a luta contra o desemprego a educação e a formação da mão de obra o funcionamento do mercado de trabalho e a inclusão social Hoje porventura mais que nunca o FSE constitui um instrumento fundamental na ajuda á recuperação económica e social dos Estados Membros da União Europeia designadamente em matéria de estimulo à criação de emprego e de combate à exclusão social O reforço da sua capacidade de intervenção incluindo no próximo período de programação permitirá certamente contribuir para aprofundar a politica de coesão económica e social e para responder ás dificuldades com que

    Original URL path: http://www.igfse.pt/st_sobreigfse_10Anivers.asp?startAt=2&categoryID=401&newsID=2083&offset=5 (2016-01-01)
    Open archived version from archive

  • Instituto de Gestão do Fundo Social Europeu - Texto da CTP - Confederação do Turismo Português
    de o que poderíamos chamar na terminologia actual de um emprego digno O papel principal que subjaz à criação do Fundo Social Europeu é a ajuda a cidadãos na procura de emprego mas não de qualquer emprego antes o que consista na actividade que lhe é mais adequada permitindo lhe progredir e manter esse emprego ou ocupação No final visa promover a realização pessoal de cada indivíduo de per si mas com benefício inegável para o visado sua família e comunidade em que se insere As características dos projectos financiados pelos programas do FSE e a sua dimensão profundamente humana são algo de verdadeiramente emocionante e indescritível pela forma como tocam a vida das pessoas permitindo lhes realizar ambições antes por eles encarados como utopias e a ajudar se a si próprias O FSE era nos anos 70 cerca de 1 do orçamento total da Comunidade e hoje em dia representa já 10 do orçamento da UE o que lhe vem permitindo ajudar e tocar de forma indelével a vida de 10 milhões de pessoas de 27 Estados Membros Com os desafios que se deparam a todos os Estados Membros da globalização ao desemprego crescente a que acrescem o envelhecimento da população as novas tecnologias e a sua aplicação a um ritmo vertiginoso aos processos de produção de bens e serviços é crucial que os recursos humanos detenham cada vez mais altos graus de qualificação Fundamental se torna por isso que o Fundo Social Europeu continue a apoiar de forma significativa todos os projectos geradores de emprego e da criação das condições para a valorização dos talentos e capacidades dos cidadãos europeus A verdade é que a Europa se debate com uma questão fundamental de competitividade face aos países de economias emergentes BRIC Tal competitividade não podendo basear se no

    Original URL path: http://www.igfse.pt/st_sobreigfse_10Anivers.asp?startAt=2&categoryID=401&newsID=2082&offset=5 (2016-01-01)
    Open archived version from archive



  •