web-archive-pt.com » PT » P » PAVCONHECIMENTO.PT

Total: 975

Choose link from "Titles, links and description words view":

Or switch to "Titles and links view".
  • Pavilhão do Conhecimento
    desta quantidade de energia colossal vai ser utilizada pela água Devido às diferenças de temperatura existentes entre as várias regiões da superfície da Terra a água entra num complexo sistema de transferências energéticas conhecido por ciclo hidrológico Este ciclo representa as contínuas trocas de estado da água sólido líquido e gasoso entre os oceanos a atmosfera e a superfície terrestre A energia envolvida no ciclo hidrológico vai permitir que a

    Original URL path: http://www2.pavconhecimento.pt/exposicoes/modulos/index.asp?accao=showmodulo&id_exp_modulo=196&id_exposicao=7 (2016-01-01)
    Open archived version from archive


  • Pavilhão do Conhecimento
    Projects Highlights Na imprensa Versão Portuguesa módulos A gravidade é a mesma mas Terra Um planeta dinâmico O transporte das partículas rochosas pela água só é possível enquanto esta estiver em movimento Com efeito só a energia cinética da água em movimento permite a deslocação de materiais que são mais densos do que o líquido que os transporta Assim que a água começa a perder velocidade o que acontece por exemplo quando os rios chegam aos oceanos deixa de poder deslocar os fragmentos de rocha Sem nada que provoque o seu transporte a acção da gravidade leva à queda vertical destes fragmentos é a denominada sedimentação As partículas rochosas transportadas pela água não têm todas as mesmas dimensões nem têm todas a mesma densidade geralmente encontram se misturados materiais de natureza diferente A resistência que o fluido oferece à queda das partículas vai por isso ser diferente de partícula para partícula Esta situação provoca a sedimentação diferencial na qual as partículas maiores e mais pesadas vão cair em primeiro lugar Este processo está na origem da gradação dimensional das partículas que frequentemente se encontra nalgumas camadas de rochas sedimentares Nestas é possível observar que as partículas mais grosseiras estão em

    Original URL path: http://www2.pavconhecimento.pt/exposicoes/modulos/index.asp?accao=showmodulo&id_exp_modulo=197&id_exposicao=7 (2016-01-01)
    Open archived version from archive

  • Pavilhão do Conhecimento
    a noção da sua impotência perante a aparente resistência da rocha Firme como um rochedo diz a tradição popular e no entanto milhões de gotas de água durante milhões de anos não há rocha que resista Transformada noutro material meteorização química ou apenas partida em fragmentos cada vez menores meteorização física este é inevitavelmente o destino de uma rocha à superfície do nosso Planeta Ao adquirir movimento a água torna

    Original URL path: http://www2.pavconhecimento.pt/exposicoes/modulos/index.asp?accao=showmodulo&id_exp_modulo=198&id_exposicao=7 (2016-01-01)
    Open archived version from archive

  • Pavilhão do Conhecimento
    sobre os materiais mais antigos que gradualmente vão ficando enterrados por vezes a alguns quilómetros de profundidade As pressões assim geradas vão provocar a compactação dos sedimentos subjacentes Esta compactação é possível pois o fluido que preenchia os espaços entre as partículas vai sendo expulso causando a diminuição de volume e de porosidade dos sedimentos A pouco e pouco os sedimentos iniciais geralmente caracterizados por uma falta de coesão começam a ganhar consistência a transição para as rochas sedimentares apro xima se Mas não é só o aumento de pressão que transforma sedimentos em rochas sedimentares Também a temperatura e as transformações químicas desempenham um papel preponde rante É sabido que a temperatura aumenta com a profundidade em média por cada quilómetro de profundidade a temperatura sobe cerca de 30º C é o chamado gradiente geotérmico A cerca de 4 quilómetros de profundidade os sedimentos são pois sujeitos a temperaturas da ordem dos 120º C A estas temperaturas e com as pressões correspondentes são frequentes as reacções químicas entre os sedimentos e entre estes e os fluidos existentes nos poros Um dos processos mais importantes que vai então ocorrer é a chamada cimentação que consiste na precipitação de minerais nos

    Original URL path: http://www2.pavconhecimento.pt/exposicoes/modulos/index.asp?accao=showmodulo&id_exp_modulo=199&id_exposicao=7 (2016-01-01)
    Open archived version from archive

  • Pavilhão do Conhecimento
    Highlights Na imprensa Versão Portuguesa módulos Porque não um imenso pântano Terra Um planeta dinâmico Sob o ataque constante dos agentes atmosféricos quantidades colossais de sedimentos são todos os anos arrastados dos continentes para os oceanos Em poucas dezenas de milhões de anos este processo é capaz de transformar qualquer Cadeia de Montanhas numa extensa planície E no entanto a Terra tem 4550 milhões de anos E apesar de tudo

    Original URL path: http://www2.pavconhecimento.pt/exposicoes/modulos/index.asp?accao=showmodulo&id_exp_modulo=200&id_exposicao=7 (2016-01-01)
    Open archived version from archive

  • Pavilhão do Conhecimento
    sucessivas entre as poeiras que constituíam a nébula que terá estado na origem do sistema solar levou à libertação de enormes quantidades de energia térmica obtidas por transformação da energia cinética A formação do núcleo por colapso dos elementos mais densos essencialmente ferro e níquel levou à conversão de grandes quantidades de energia potencial em energia térmica Em 1896 Henri Becquerel descobriu que algumas formas de urânio não eram estáveis alterando continuamente a sua estrutura atómica e dando origem a novos elementos Essa transformação espontânea que ocorre sempre a uma velocidade constante ficou conhecida pelo nome de radioactividade Os anos seguintes assistiram à descoberta da radioactividade noutros elementos químicos naturais rádio chumbo tório árgon potássio cálcio rubídio estrôncio carbono e azoto são alguns dos elementos que mostraram poder estar envolvidos em processos radioactivos Durante a formação da Terra muitos destes elementos radioactivos ficaram aprisionados no seu interior e desde então têm vindo a alimentar processos radioactivos Em virtude destes processos estarem sempre associados à libertação de energia a radioactividade tem constituído uma das principais fontes de energia interna do nosso Planeta constituindo um factor fundamental para a sua dinâmica Apenas um granito ou um minúsculo gerador nuclear natural Habituados a ouvir falar dos perigos da radioactividade associados às centrais nucleares muitos de nós não nos apercebemos que a Terra acaba por ser um gigantesco reactor nuclear continuamente alimentado por alguns elementos radioactivos os quais fazem parte da rede cristalina de alguns minerais Embora as concentrações destes materiais radioactivos sejam geralmente tão baixas que não constituem uma ameaça para a saúde pública instrumentos sensíveis denominados contadores Geiger são capazes de medir a energia que é espontaneamente libertada Sólido líquido ou gasoso O estado físico de um determinado material depende essencialmente das condições de pressão e temperatura a que está sujeito De

    Original URL path: http://www2.pavconhecimento.pt/exposicoes/modulos/index.asp?accao=showmodulo&id_exp_modulo=201&id_exposicao=7 (2016-01-01)
    Open archived version from archive

  • Pavilhão do Conhecimento
    que ficam conservados como encraves nos basaltos resultantes da consolidação dos magmas Amostra 1 Basalto com encraves peridotíticos de olivina mineral silicatado ferromagnesiano geralmente de cor verde Rochas sempre velhas A maioria das pessoas tem a ideia de que as rochas são algo que sempre existiu No entanto as rochas estão sempre a formar se Em cada momento o nosso Planeta como corpo dinâmico que é gera continuamente todos os tipos de rochas sedimentares ígneas e metamórficas elas podem ter todas as idades Amostra 1 basalto com perto de 65 milhões de anos Complexo vulcânico de Lisboa Amostra 2 basalto da erupção de 1994 Vesúvio Itália Amostra 3 basalto da erupção de 1983 Etna Itália Amostra 4 basalto da erupção de 1999 Etna Itália Formas vulcânicas Quando o magma atinge a superfície passa a designar se lava a qual tem uma composição ligeiramente diferente do magma que a originou pois o teor em gases dissolvidos é muito menor A diversidade dos materiais rochosos associados às erupções vulcânicas é extremamente grande Por um lado sendo a lava um material extremamente viscoso que vai arrefecer rapidamente ela tende a originar rochas sólidas com formas muito variadas que frequentemente fazem lembrar esculturas grotescas Por outro lado a energia libertada durante as explosões que acompanham muitas erupções vulcânicas vai também condicionar o tipo de rochas que se vão formar Amostra 1 Devido à grande viscosidade da lava quando esta escorre sobre a superfície topográfica a capa superficial que solidifica em primeiro lugar começa a ficar enrugada devido ao movimento do material subjacente formam se então as lavas encordoadas Vesúvio Itália Amostra 2 As explosões vulcânicas projectam para a atmosfera material fundido que muitas vezes vai consolidar antes de atingir o chão nestas circunstâncias a lava adquire frequentemente formas fusiformes que recebem o nome de bombas vulcânicas ilha do Faial Açores Amostra 3 Se olharmos para o interior de uma bomba vulcânica vemos que nas zonas mais internas são frequentes os espaços vazios de forma esférica os quais se tornam mais raros nas zonas mais externas Estes espaços correspondem às bolhas de gás que ficaram aprisionadas devido à consolidação rápida da lava ilha do Faial Açores Amostra 4 A quantidade de gases que ficam aprisionados durante a consolidação da lava pode dar origem a uma rocha extremamente porosa e leve que recebe o nome de pedra pomes Ilha de S Miguel Açores Amostra 5 Por vezes a lava é obrigada a sair sob pressão por buracos que existem na rocha que consolidou anteriormente adquirindo então a forma de fitas distorcidas Ilha de S Miguel Açores Amostra 6 Por vezes as nuvens de gás associadas às erupções vulcânicas têm misturadas uma quantidade tão grande de material sólido que colapsam sob o seu próprio peso Formam se então as perigosas nuvens ardentes que chegam a atingir velocidades de 200 km hora e temperaturas de 800ºC Os materiais depositados por estas avalanches recebem o nome de ignimbritos ilha do Faial Açores Uma questão de textura Quando o magma

    Original URL path: http://www2.pavconhecimento.pt/exposicoes/modulos/index.asp?accao=showmodulo&id_exp_modulo=203&id_exposicao=7 (2016-01-01)
    Open archived version from archive

  • Pavilhão do Conhecimento
    a quantidade de energia envolvida na última erupção de Krakatau Krakatau era uma entre milhares das ilhas da Indonésia situada no estreito de Sunda entre a ilha de Java e a de Sumatra Era também um vulcão que dois dias após ter entrado em erupção desapareceu pulve rizou se lançando para o ar toneladas de material incandescente enquanto produzia um ruído ensurdecedor Esse som foi ouvido num raio de 4 500 km tendo sido classificado em 1888 por uma comissão da Royal Society of London como o maior ruído da história da humanidade Durante 1 ano foram encontrados a flutuar no Oceano Índico blocos de pedra pomes com toneladas resultantes da explosão da ilha No entanto não foram estes os fenómenos mais aterradores desta erupção do Krakatau A acti vidade vulcânica foi responsável pelo crescimento a partir da ilha de uma gigantesca onda oceânica tsunami que arrastou mais de 36 000 pessoas das ilhas vizinhas Java e Sumatra Mas porque explodem os vulcões Magma é um material rochoso fundido que pode conter em suspensão cristais e gases dissolvidos Em profundidade as rochas sobrejacentes exercem carga sobre o magma comprimindo fortemente os gases nele existentes À medida que se vai dando

    Original URL path: http://www2.pavconhecimento.pt/exposicoes/modulos/index.asp?accao=showmodulo&id_exp_modulo=204&id_exposicao=7 (2016-01-01)
    Open archived version from archive