web-archive-pt.com » PT » P » PAVCONHECIMENTO.PT

Total: 975

Choose link from "Titles, links and description words view":

Or switch to "Titles and links view".
  • Pavilhão do Conhecimento
    nosso quotidiano As pessoas adoram coisas que as assustem e os artrópodes gigantes cumprem essa função na perfeição Na década de 50 e 60 esteve na moda fazer filmes e bandasdesenhadas protagonizadas por insectos gigantes pelo mesmo motivo foram criados heróis como o Homem Aranha que tinha os mesmos poderes do seu equivalente animal Às vezes as empresas escolhem artrópodes para as simbolizar as abelhas representam trabalho árduo e prudência

    Original URL path: http://www2.pavconhecimento.pt/exposicoes/modulos/index.asp?accao=showmodulo&id_exp_modulo=246&id_exposicao=8 (2016-01-01)
    Open archived version from archive


  • Pavilhão do Conhecimento
    nosso quotidiano As patas traseiras da pulga são tão fortes que lhes permitem saltar a uma altura de 28 cm o que para um homem equivale a um salto de 85 metros na vertical Para poderes imaginar melhor imagina te a saltar por cima de 40 basquetebolistas empoleirados uns nos outros Experimenta Junta os pés levanta bem os braços e marca a altura a que consegues chegar Dá um salto

    Original URL path: http://www2.pavconhecimento.pt/exposicoes/modulos/index.asp?accao=showmodulo&id_exp_modulo=247&id_exposicao=8 (2016-01-01)
    Open archived version from archive

  • Pavilhão do Conhecimento
    papel A Floresta América do Norte Consumo de papel anual per capita kg Papel de jornal 48 Papel de impressão e de escrita 95 Papel de embrulho e cartão 152 Lenços de papel papel hig etc 21 Europa Ocidental e Oceânia Consumo de papel anual per capita kg Papel de jornal 28 Papel de impressão e de escrita 53 Papel de embrulho e cartão 65 Lenços de papel papel hig etc 10 Portugal Produção de papel e cartão em 1999 103 t Papéis para usos gráficos 572 Papéis para uso doméstico e sanitário 63 Papéis para cartão canelado 388 Papéis para embal e empacotamento 130 Papéis e cartões especiais 10 Venda de papel e cartão português no mercado doméstico em 1999 103 t Papéis para usos gráficos 103 Papéis para uso doméstico e sanitário 9 Papéis para cartão canelado 178 Papéis para embal e empacotamento 85 Papéis e cartões especiais 8 Europa de Leste América Latina Ásia Consumo de papel anual per capita kg Papel de jornal 4 Papel de impressão e de escrita 6 Papel de embrulho e cartão 12 Papel de seda Ex lenços de papel papel higiénico etc 2 África Consumo de papel anual per capita kg

    Original URL path: http://www2.pavconhecimento.pt/exposicoes/modulos/index.asp?accao=showmodulo&id_exp_modulo=248&id_exposicao=9 (2016-01-01)
    Open archived version from archive

  • Pavilhão do Conhecimento
    de metade do papel doméstico usado que é recolhido consiste em papel de jornal e papel de lustro de material publicitário A taxa de recuperação deste tipo de papel ronda os 70 Grande parte deste tipo de papel é descolorido e utilizado como matéria prima para papel de jornal O papel de escritório de cor clara que é recuperável inclui papel de escrita e de fotocópia papel de computador e outros tipos de papel branco que frequentemente são rasgados antes da recolha O grau de recuperação deste tipo de papel é de cerca de 50 O papel de escritório claro é fabricado sobretudo a partir da pasta química de celulose sendo descolorido e usado como matéria prima para os lenços de papel O cartão reciclado consiste sobretudo em cartão canelado e papel kraft recolhido em lojas e fábricas A taxa de recuperação de cartão ondulado atinge já os 75 O cartão reciclado é usado principalmente como matéria prima para as camadas internas do cartão multiplexar a partir do qual se fabrica todo o tipo de cartão resistente para a indústria de papel Todas as embalagens de leite sumos iogurte detergente e vinho podem ser reco lhidas e recicladas A taxa

    Original URL path: http://www2.pavconhecimento.pt/exposicoes/modulos/index.asp?accao=showmodulo&id_exp_modulo=249&id_exposicao=9 (2016-01-01)
    Open archived version from archive

  • Pavilhão do Conhecimento
    metros cúbicos em relação à área do país em hectares em 1990 Puxando a alavanca a densidade das peças do mapa muda mostrando uma previsão para o ano 2040 Calcula se que os recursos florestais europeus excluindo a Rússia devam aumentar cerca de 50 entre 1990 e 2040 A previsão baseia se numa recolha de dados fornecidos pelos vários países O crescimento bruto menos o derrube de árvores corresponde ao diferencial nos recursos disponíveis Em 1990 os recursos florestais europeus existentes excluindo a Rússia atingiam aproximadamente 19 968 milhões de metros cúbicos Em 2040 prevê se que estes ascendam a 29 358 milhões de metros cúbicos correspondendo a uma adição de 9 390 milhões de metros cúbicos ou seja mais 47 do que os actualmente existentes A maior concentração de recursos florestais num único país encontra se na Rússia na região mais próxima da Europa aproximadamente 16 681 de milhões de metros cúbicos Tal quase iguala a quantidade de floresta existente no resto da Europa É difícil estabelecer previsões para a Rússia mas estima se que os seus recursos cresçam dez vezes mais durante o período em questão Na Europa a Irlanda tem a menor área de exploração florestal 5

    Original URL path: http://www2.pavconhecimento.pt/exposicoes/modulos/index.asp?accao=showmodulo&id_exp_modulo=250&id_exposicao=9 (2016-01-01)
    Open archived version from archive

  • Pavilhão do Conhecimento
    choupos 4 b Coleópteros especializados Há uma espécie de coleóptero buprestídeo Melanophila acuminata que se reproduz apenas em árvores danificadas pelo fogo Os indivíduos desta espécie possuem receptores de infravermelhos que lhes permitem migrar em direcção a incêndios florestais A temperatura ideal para este escaravelho é anormalmente alta 40º C Nos países nórdicos há cerca de 35 espécies de insectos que se encontram sobretudo em florestas queimadas durante os primeiros 6 anos depois do fogo e cerca de 20 espécies que habitam florestas queimadas durante o período de 5 20 anos após o incêndio Os insectos dependentes dos incêndios florestais caracterizam se por uma extraordinária capacidade de dispersão Podem viajar dezenas de quilómetros em direcção a áreas queimadas guiados por órgãos sensoriais especiais Os indivíduos destas espécies gozam de grande longevidade na forma adulta e são a maior parte das vezes de cor muito escura reflectindo a luz de uma forma idêntica à da madeira carbonizada 5 a Com que frequência arde a floresta A prevenção de grandes incêndios florestais não começou antes de finais do século XIX Até aí a eclosão a propagação e a extinção dos incêndios eram controladas sobretudo pela natureza Na verdade durante centenas de anos a acção do homem teve sobre a ocorrência de incêndios florestais um efeito oposto ao que exerce hoje o generalizado uso do fogo na época da agricultura de queimadas e o uso do fogo como método de arroteamento da floresta resultavam frequentes vezes na propagação do fogo a áreas florestais vizinhas 5 b Os incêndios são mais frequentes em solos arenosos secos A frequência dos incêndios florestais depende por exemplo das condições de humidade da floresta da topografia e do tipo de local onde a floresta ocorre Estima se que o intervalo médio entre incêndios em terrenos arenosos secos é de 50 anos ao passo que em solos húmidos de origem glaciária o fogo ocorre em média uma vez em cada 120 anos As encostas viradas a sul e oeste arderam com mais frequência do que as voltadas a norte e as saliências com mais frequência do que a depressões Os refúgios do fogo i e a áreas onde o fogo contorna sem queimar são ilhas de floresta húmida geralmente povoamento de espruce que arderam muito raras vezes 5 c Na Escandinávia as áreas ardidas são muito restritas A extensão dos incêndios florestais varia segundo a topologia do terreno e os factores climatéricos em presença Nas regiões do Norte da Rússia da Sibéria e da América do Norte com clima continental a dimensão da área ardida anualmente é segundo as estatísticas de milhões de hectares Os incêndios florestais no Norte da Europa afectaram apenas áreas relativamente pequenas graças às condições climatéricas variáveis e ao facto de a paisagem ser cortada por lagos e pântanos O efectivo controlo do fogo ainda mais reduziu a extensão das áreas ardidas A dimensão média das áreas florestais destruídas pelo fogo p ex na Finlândia é hoje em dia de apenas meio hectare quando há

    Original URL path: http://www2.pavconhecimento.pt/exposicoes/modulos/index.asp?accao=showmodulo&id_exp_modulo=252&id_exposicao=9 (2016-01-01)
    Open archived version from archive

  • Pavilhão do Conhecimento
    muda constantemente A sucessão não termina na fase final pois pequenas perturbações uma árvore derrubada pelo vento continuam a modificar a floresta Perturbações maiores por exemplo um incêndio ou danos graves causados por ventos fortes levam a floresta de volta à fase inicial da sucessão Assim é só momentaneamente que a floresta consegue satisfazer as exigências de certa espécie de planta ou animal Se não possuíssem a capacidade de espalhar se no meio as espécies não sobreviveriam na floresta em permanente mudança Existem diferenças nas exigências ambientais da flora e da fauna da floresta Certas espécies por exemplo os alces conseguem percorrer grandes distâncias e obter o seu alimento em muitos tipos diferentes de floresta Algumas espécies como o cogumelo Fomitopsis rosea requerem um microclima estável invadem lentamente o meio e são especializados numa fonte alimentar específica Em geral exigências específicas quanto ao habitat verificam se apenas numa das fases da sucessão Do ponto de vista da conservação da biodiversidade florestal porém os alces e o cogumelo Fomitopsis rosea são igualmente importantes para manter a biodiversidade as exigências de ambas as espécies devem ser satisfeitas numa área suficientemente grande Protecção da biodiversidade da floresta A exploração comercial das florestas reduziu a diversidade biológica em grandes áreas das florestas boreais As espécies ameaçadas são sobretudo aquelas que dependem de características da sucessão vegetal natural que não se encontram nas florestas exploradas comercialmente Incluem a situação após um incêndio florestal natural a presença de grande abundância de madeira dura em decomposição produzida na fase de floresta de árvores de folha caduca e as condições oferecidas pelas florestas da fase final da sucessão vegetal A criação de reservas naturais não é suficiente para garantir a sobrevivência da biodiversiadde na floresta As directivas actualmente em vigor na gestão das florestas com exploração comercial procuram levar em conta as exigências da biodiversidade Tenta se preservar as características fundamentais dos habitats principais considerados sítios naturais preciosos Além disso não se derrubam as árvores de folha caduca nem as da mais antiga mata dominante para assegurar a existência de uma quantidade suficiente de madeira decomposta nas primeiras fases da geração seguinte A queimada tornou se uma prática comum pois aumenta as hipóteses de sobrevivência das espécies que crescem nas fases da sucessão vegetal que ocorre após um incêndio Área queimada Algumas das árvores da fase final da sucessão vegetal sobrevivem ao incêndio por conseguinte a sucessão não irá partir do zero Uma grande quantidade de árvores mortas permanece na área ardida Muitas espécies algumas delas em vias de extinção devido à escassez de incêndios florestais adaptaram se a utilizar esse material O escaravelho Sericoda bogemanni chega quando as cinzas ainda estão quentes Várias espécies de escaravelhos vivem na daldínia concêntrica um cogumelo que cresce na madeira de vidoeiro queimada Comunidade de ervas Nos anos que se seguem ao incêndio a região é invadida por vegetação rasteira As ervas em flor dão à paisagem um tom roxo avermelhado Passados alguns anos a flora da zona queimada é uma

    Original URL path: http://www2.pavconhecimento.pt/exposicoes/modulos/index.asp?accao=showmodulo&id_exp_modulo=253&id_exposicao=9 (2016-01-01)
    Open archived version from archive

  • Pavilhão do Conhecimento
    O futuro do lobo na Europa é assegurado pela proibição da caça e pela criação de áreas protegidas O gado de pastagem pode ser defendido por cães de guarda e cercas electrificadas e ainda deixando na zona presas silvestres em quantidade suficiente para alimento dos lobos Galo montês Tetrao urogallus O galo montês é o rei em declínio das aves da floresta europeia Trata se de uma das maiores espécies de aves selvagens e pesa 2 5 Kg O galo montês alimenta se de agu lhas de pinheiro folhas de choupo e bagas Na Primavera efectua um extraordinário ritual colectivo de cortejamento O galo montês dá se bem em áreas extensas de floresta natural com escassa intervenção do homem Encontram se mais galos monteses em áreas pouco povoadas com mais área florestal e menos lagos Estima se em mais de meio milhão o número de indivíduos adultos em território finlandês A conservação do galo montês pode fazer se através da criação de áreas protegidas aplicação de técnicas de ordenamento florestal mais próximas da natureza e ainda proibição ou imposição de restrições à caça Coleópteros Há mais de 300 espécies de coleópteros em vias de extinção nos países nórdicos Mais de

    Original URL path: http://www2.pavconhecimento.pt/exposicoes/modulos/index.asp?accao=showmodulo&id_exp_modulo=254&id_exposicao=9 (2016-01-01)
    Open archived version from archive